Tag

Vacina

Browsing

As secretarias municipais de Saúde vacinaram 57.200 pessoas contra a Covid-19 até as 17h30 desta sexta-feira (22), o que representa 43% das 132.771 doses distribuídas pelo Governo do Estado. Os imunizantes CoronaVac, produzidos pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac, foram aplicados em profissionais de saúde, pessoas em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI), pessoas com deficiência severa e indígenas. As informações são da Agência de Notícias do Paraná.

O balanço foi divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde a partir de um levantamento interno realizado com as 22 Regionais de Saúde e os respectivos municípios. Nos próximos dias ele será disponibilizado no sistema integrado do Ministério da Saúde, que ainda está indisponível, o Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI). O DataSUS, sistema macro no qual está o SI-PNI, desenvolveu um módulo especial para receber os dados de todos os estados e que contempla informações como registro de vacinados, público-alvo, origem e lote de vacinas.

De acordo com o levantamento, as 57.200 aplicações foram divididas entre 40.509 profissionais de saúde, 3.125 vacinadores, 4.366 indígenas e 9.200 idosos asilados, profissionais cuidadores e pessoas com deficiências severas.

As Regionais que mais imunizaram em números absolutos foram Curitiba e Região Metropolitana (2ª RS), Maringá (15ª RS), Londrina (17ª RS), Guarapuava (5ª RS), Cascavel (10ª RS) e Ponta Grossa (3ª RS). Proporcionalmente à quantidade de doses, os destaques foram Cianorte (13ª RS), com 79%; União da Vitória (6ª RS), com 78,4%; Campo Mourão (11ª RS), com 77,7%; Ivaiporã (22ª RS), com 72,3%; Irati (4ª RS), com 71,8%; e Cornélio Procópio (18ª RS), com 71,3%.

NÚMEROS ABSOLUTOS – A Regional que mais aplicou foi a de Curitiba e Região Metropolitana (2ª RS). Foram 7.761, sendo 4.316 em profissionais de saúde, 842 em vacinadores, 96 em indígenas e 2.507 em idosos e trabalhadores de instituições asilares. A segunda que mais aplicou foi a de Maringá (15ª RS), com 5.846, sendo 4.576 em médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e fisioterapeutas, além de 867 em idosos e deficientes.

Em Curitiba, por exemplo, os grupos da primeira fase envolvem os 250 profissionais da enfermagem que atuarão como vacinadores; 6 mil moradores, funcionários e cuidadores de 127 ILPIs; 93 indígenas aldeados da aldeia Kakané-Porã, no Tatuquara; 12 mil profissionais de saúde da linha de frente; e as equipes das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), além de profissionais de remoção médica particulares.

Londrina (17ª RS) aplicou em 4.456 pessoas, sendo a maioria profissionais de saúde: 2.645. Guarapuava (5ª RS) aplicou 3.521 doses, sendo 2.533 em profissionais de saúde, 538 em indígenas, 150 vacinadores e 300 em idosos e deficientes severos. Na regional de Cascavel (10ª RS), a última a receber as doses, foram 3.321 aplicações: 2.718 profissionais de saúde, 134 vacinadores, 134 indígenas e 335 idosos em ILPIs. Em Ponta Grossa (3ª RS) também foram mais de 3 mil aplicações.

As regionais de Pato Branco (7ª RS), Campo Mourão (11ª RS), Apucarana (16ª RS), Cornélio Procópio (18º RS), Jacarezinho (19ª RS) e Toledo (20ª RS) vacinaram mais de 2 mil pessoas; as de Paranaguá (1º RS), Irati (4ª RS), União da Vitória (6ª RS), Francisco Beltrão (8ª RS), Foz do Iguaçu (9ª RS), Umuarama (12ª RS), Paranavaí (14ª RS), Telêmaco Borba (21ª RS) e Ivaiporã (22ª RS) vacinaram entre mil e 2 mil pessoas; Cianorte (13ª RS) teve 980 aplicações.

PROPORCIONAL – Proporcionalmente à quantidade de doses, os destaques foram Cianorte (13ª RS), Campo Mourão (11ª RS), União da Vitória (6ª RS), Ivaiporã (22ª RS), Cornélio Procópio (18ª RS) e Irati (4ª RS), com mais de 70%, em relação à quantidade de doses recebidas. Jacarezinho (19ª RS), Francisco Beltrão (8ª RS), Pato Branco (7ª RS), Telêmaco Borba (21ª RS) e Maringá (15ª RS) tiveram 60% ou mais de aplicação. Guarapuava (5ª RS), Apucarana (16ª RS) e Ponta Grossa (3ª RS) tiveram mais de 50%. Os dois núcleos mais populosos (Curitiba/RMC e Londrina) variaram entre 19,7% e 31,9%.

LOGÍSTICA – O Governo do Estado montou uma verdadeira força-tarefa para a logística de distribuição das primeiras vacinas, que incluiu três aeronaves e uma frota de caminhões. O Paraná recebeu do Ministério da Saúde 265.600 doses da Coronavac na segunda-feira (18), vindas do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

As primeiras 132.771 doses (metade do lote) saíram do Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar) na terça-feira (19) de manhã. Elas foram entregues a Curitiba, pelas 8 horas, e às 9 horas aviões decolaram do Aeroporto do Bacacheri levando cerca de 80 mil frascos para o Interior. Outras regionais que ficam perto da Capital foram atendidas por via terrestre. Elas chegaram a todas as regionais em 27 horas.

Na quarta-feira (20), pouco depois das 15 horas, todos os municípios haviam retirado as suas cargas e a maioria iniciou a vacinação no mesmo dia, de maneira simbólica ou definitiva. Na quinta-feira (21), às 14h30, todos os municípios já haviam começado as suas campanhas.

O outro lote será encaminhado para aplicação da segunda dose em três semanas. O armazenamento está sendo feito no Cemepar, que conta com ampla estrutura de freezers e câmaras frias, além de questões de segurança.

Confira o balanço de aplicação por Regional de Saúde

1ª RS – Paranaguá – 1.075 (47,9% das 2.240 doses recebidas)

2ª RS – Metropolitana – 7.761 (19,7% das 39.371 doses)

3ª RS – Ponta Grossa – 3.272 (54,5% das 6.000 doses)

4ª RS – Irati – 1.092 (71,8% das 1.520 doses)

5ª RS – Guarapuava – 3.521 (59,4% das 5.920 doses)

6ª RS – União da Vitória – 1.208 (78,4% das 1.540 doses)

7ª RS – Pato Branco – 2.921 (60,3% das 4.840 doses)

8ª RS – Francisco Beltrão – 1.759 (65,6% das 2.680 doses)

9ª RS – Foz do Iguaçu – 1.652 (32% das 5.160 doses)

10ª RS – Cascavel – 3.321 (40,3% das 8.240 doses)

11ª RS – Campo Mourão – 2.673 (77,7% das 3.440 doses)

12ª RS – Umuarama – 1.293 (41,4% das 3.120 doses)

13ª RS – Cianorte – 980 (79% das 1.240 doses)

14ª RS – Paranavaí – 1.249 (41% das 3.040 doses)

15ª RS – Maringá – 5.846 (62,4% das 9.360 does)

16ª RS – Apucarana – 2.440 (59,5% das 4.100 doses)

17ª RS – Londrina – 4.456 (31,9% das 13.960 doses)

18ª RS – Cornélio Procópio – 2.568 (71,3% das 3.600 doses)

19ª RS – Jacarezinho – 2.285 (67,2% das 3.400 doses)

20ª RS – Toledo – 2.572 (47,9% das 5.360 doses)

21ª RS – Telêmaco Borba – 1.260 (67% das 1.880 doses)

22ª RS – Ivaiporã – 1.996 (72,3% das 2.760 doses)

TOTAL – 57.200 (43% das 132.771 doses).

Confira a TABELA completa.

As doses da vacina contra a Covid-19, desenvolvidas pela Universidade de Oxford/AstraZeneca e importadas da Índia, devem chegar ao Paraná no domingo (24), de acordo com previsão do governo do estado.

O imunizante chegou ao Brasil durante a tarde desta sexta-feira (22) e será levado para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, onde passará por rotulagem e inspeção, antes da distribuição. Leia mais em G1 Paraná.

Os 2 milhões de doses da vacina Oxford-AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), começarão a seguir para os estados na tarde deste sábado (23). Depois de chegar em voo da Emirates ao Aeroporto de Guarulhos, às 17h20 dessa sexta-feira (22), a carga foi transportada em um avião da Azul até a Base Aérea do Galeão, aonde chegou às 22h. As informações são da Agência Brasil.

O avião foi recebido na pista por um batismo simbólico, com jatos de água lançados em forma de arco pelos bombeiros do Aeroporto Rio-Galeão.

As vacinas prontas foram fabricadas pelo Instituto Serum, na Índia, e eram aguardadas desde sábado (16), mas tiverem atraso no envio por questões internas da Índia.

Chegada das vacinas da AstraZeneca/Oxford contra Covid-19 produzidas pelo Instituto Serum, na Índia, à base aérea do Galeão para serem encaminhadas à Fiocruz.
O avião com as vacinas da AstraZeneca/Oxford foi recebido na pista por um batismo simbólico  – Fernando Frazão/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, recebeu o lote em solo brasileiro, ao lado dos ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e das Comunicações, Fábio Faria. Também estavam presentes o embaixador da Índia, Suresh Reddy, e a presidente da Fiocruz, Nisia Trindade. Esta última se juntou ao grupo no Rio de Janeiro.

“A encomenda tecnológica prevê 100 milhões de doses para o primeiro semestre. Essas 2 milhões de doses são apenas o início. É o começo do processo. O objetivo do Ministério da Saúde é a vacinação em massa do povo brasileiro. E isso vai nos colocar, rapidamente, no topo da lista do número de vacinados. Com 8 milhões de doses, nós passaremos a ser o segundo país do ocidente que mais vacinou”, disse Pazuello, em pronunciamento à imprensa na Base Aérea.

O ministro Ernesto Araújo ressaltou a cooperação e a relação diplomática com a Índia. “Isto aqui é o começo de uma parceria tanto na área farmacêutica quanto em muitas outras áreas com a Índia. País pelo qual temos uma admiração imensa, uma amizade imensa, que agora se consolida ainda mais”, disse Araújo.

Os ministros da Saúde, Eduardo Pazuello, das Relações Exteriores, Ernesto Araujo, o embaixador da Índia no Brasil, Suresh Reddy, e a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade
Os ministros da Saúde, Eduardo Pazuello, das Relações Exteriores, Ernesto Araujo, o embaixador da Índia no Brasil, Suresh Reddy, e a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade – Fernando Frazão/Agência Brasil

O embaixador indiano classificou o momento como um dia histórico entre os dois países. “Este dia traz sorrisos e otimismo a muitas pessoas. O Brasil é o primeiro país a receber esta carga e nós estamos muito orgulhosos de fazer parte deste processo. A Índia assegurará vacinas para todos os países e todos os povos”, disse Suresh Reddy.

Para a presidente da Fiocruz, a chegada da vacina é uma vitória da ciência. “Neste momento de perdas, ter a vacina é uma esperança que vem da ciência, que vem do Sistema Único de Saúde. É uma vacina com 70% de eficácia e que poderá ser administrada no intervalo de 12 semanas. Isto será muito importante para o nosso sistema de saúde”, ressaltou Nísia Trindade.

Fiocruz

Da Base Aérea, as vacinas seguiram em caminhões refrigerados para o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz), para checagem de qualidade e segurança, além de rotulagem, com etiquetagem das caixas com informações em português.

Esse processo será feito ao longo da madrugada e da manhã de sábado e será realizado por equipes treinadas em boas práticas de produção. A previsão é de que as vacinas estejam prontas para distribuição para todos os estados brasileiros no período da tarde.

Toda a logística de distribuição ficará sob a responsabilidade do Ministério da Saúde, por meio do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19.

Bolsonaro

Pelo Twitter, o presidente Jair Bolsonaro comentou sobre a chegada dos 2 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford ao Brasil. Ele disse que foram “negociadas pelo Ministério da Saúde e [a vacina já foi] adquirida também por um grande número de países”.

O líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa, deputado Tadeu Veneri, está cobrando explicações do governo do Estado sobre as parcerias para testagem e produção de vacinas contra o Covid-19 com a Rússia e a China. Segundo Veneri, em julho do ano passado, o governo respondeu pedido de informações afirmando que estava negociando essas parcerias.

Leia mais no blog Política em Debate.

As vacinas contra a covid-19 desenvolvidas em parceria entre a AstraZeneca e a Universidade de Oxford devem chegar ao Brasil, vindas da Índia, nesta sexta-feira (22). A informação foi dada pelo Ministério das Comunicações por meio de nota oficial na tarde de hoje (21). À noite, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) também divulgou uma nota sobre a chegada da vacina. As informações são da Agência Brasil.

As 2 milhões de doses serão enviadas por meio de um voo comercial da companhia aérea Emirates. A previsão é que a carga chegue no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo às 17h40 e, após os trâmites alfandegários,  a carga será embarcada em outro avião que segue para o Aeroporto Internacional do Galeão, de onde será levada para a Fiocruz. As vacinas foram fabricadas pelo laboratório indiano Serum.

O governo brasileiro tenta desde a semana passada trazer a carga de imunizantes do país asiático. A previsão inicial era que elas estariam aqui no domingo passado (17). Contudo, o governo da Índia recuou e as autoridades brasileiras passaram a dialogar para liberar a carga.

A Índia anunciou nesta semana a exportação de vacinas para seis países, sem incluir o Brasil. Na noite de ontem, o secretário de Relações Exteriores da Índia, Harsh Srhingla, confirmou à Agência Reuters a liberação da exportação.

O presidente Jair Bolsonaro publicou nas suas redes sociais sobre a liberação das exportações da vacina e cumprimentou o ministro das relações exteriores Ernesto Araújo e os servidores do Itamaraty pelo trabalho.

Cinco funcionários morreram vítimas do incêndio que atingiu nesta quinta-feira (21) dois andares de um dos prédios do Instituto Serum, localizado na cidade de Pune, na Índia, e maior fabricante de vacinas do mundo, com a produção de 50 milhões de doses por mês. As informações são do Alerta Paraná.

Segundo o jornal “Times of India”, o estoque de vacinas e a indústria onde elas são feitas não foram atingidos. A tragédia poderia ter sido maior, pois estima-se que lá são produzidas seis em cada dez vacinas aplicadas em crianças do mundo todo.

Nesta semana o instituto começou a exportar a vacina da Covid-19 para seis países, mas atrasou o envio dos 2 milhões de doses pretendidos pelo Brasil e que devem chegar amanhã ao Rio de Janeiro. Era exatamente da Índia  que deveriam ter vindo as vacinas inicialmente prometidas para as cinco Regionais de Saúde do Oeste e do Sudoeste do Paraná.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) admitiu que poderá haver atraso na produção da vacina contra a covid-19 causado pela falta do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA). Em nota divulgada nesta terça-feira (19), a Fiocruz explicou que ainda aguarda a confirmação do insumo-base para a fabricação das vacinas. As informações são da Agência Brasil.

“Embora ainda dentro do prazo contratual em janeiro, a não confirmação até a presente data de envio do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) poderá ter impacto sobre o cronograma de produção inicialmente previsto de liberação dos primeiros lotes entre 8 e 12 de fevereiro”, informou a Fiocruz.

Segundo a fundação, o cronograma de produção será detalhado assim que a data de chegada do insumo estiver confirmada. “Ainda que sejam necessários ajustes no início do cronograma de produção inicialmente pactuado, a Fiocruz segue com o compromisso de entregar 50 milhões de doses até abril deste ano, 100,4 milhões até julho e mais 110 milhões ao longo do segundo semestre, totalizando 210,4 milhões de vacinas em 2021”, diz a nota.

A Fiocruz produz a vacina em conjunto com a AstraZeneca.

O deputado federal Luciano Ducci (PSB) destacou nesta quarta-feira, 13, a eficácia da vacina CoronaVac, segundo resultados divulgados pelo Butantan. “Estamos diante de um resultado que comprova que a vacina produzida pela Sinovac é segura e nos protege de adoecer gravemente, de precisar de UTI, por exemplo. O que melhora a situação de todo o nosso sistema de saúde também”, escreveu nas redes sociais.

Segundo os resultados da pesquisa, divulgados pelo Butantan, a CoronaVac tem eficácia global de 50,38%, mais do que o mínimo exigido pela Organização Mundial da Vacina (OMS) e Anvisa que é de 50%. Sobre o que esperar da vacina, Ducci explicou como se dará a imunização.

“Com eficácia global de 50,38%, metade das pessoas que receberam a vacina não terá covid-19, 78% de eficácia, significa que cerca de 22% dos contaminados poderão ter sintomas moderados. Quando possui 100% de eficácia para casos graves, nenhum dos vacinados têm potencial de adoecer gravemente”, explicou.

Detalhes dos estudos clínicos revelam que a eficácia global da vacina considera os efeitos de imunização contra todos os tipos de infecção, ou seja: casos assintomáticos, leves ou graves, sem recorte de grupo. “Precisamos confiar na ciência e continuarmos com os cuidados, pois os casos e mortes ainda estão longe do controle. Essa vacina é a esperança para muitos brasileiros, estamos confiantes”, reiterou Ducci.

A vacinação contra a Covid-19 no Paraná deve iniciar entre 20 e 31 de janeiro, segundo afirmação do secretário estadual da Saúde, Beto Preto. Esse prazo lhe foi garantido pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. As primeiras doses serão aplicadas nos cerca de 90 mil profissionais que trabalham na linha de frente do atendimento a pacientes com coronavírus. No total, segundo Preto, o estado tem 272 mil profissionais de saúde que atuam na linha de frente contra a doença e que devem receber as doses do imunizante. As informações são do blog Fabio Campana.

O secretário afirmou ainda que o trabalho de vacinação no Paraná já está todo definido, com a distribuição das doses, assim que chegarem ao Estado, nas 1.080 salas de vacinação distribuídas pelo Paraná equipadas com refrigeradores necessários para conservar e transportar as doses. O Paraná, diz ele, tem 8,9 milhões de seringas e agulhas para iniciar a vacinação.

O secretário também afirmou que vai, a princípio, aplicar as vacinas que estiverem no Plano Nacional de Imunizações (PNI) do governo federal. “O Ministério da Saúde vai nos trazer as vacinas. Pode ser da CoronaVac, pode ser da Pfizer, da Moderna, da Sputnik V. Nós estamos preparados para vacinar. Qual vai ser a marca? Não vamos verificar isso. Tem que ter o selo de qualidade da Anvisa”, disse Beto Pret0.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou, em nota, que quer contribuir com o início da vacinação contra covid-19 ainda neste mês. Para isso, é necessária a realização do pedido para uso emergencial da vacina, o que deve ser feito nesta semana.

As primeiras vacinas serão importadas da Índia, um dos locais de produção da AstraZeneca, laboratório que tem parceria com a Fiocruz no Brasil. Serão 2 milhões de doses. As demais serão produzidas pela própria fundação brasileira após a chegada do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), também prevista para janeiro.

Leia mais em Agência Brasil.